masculino-femini

A União dos Sagrados Masculino e Feminino

A palavra Sagrado remete a respeito ou algo que merece veneração por ter ligação a divindade que está presente em tudo que existe.

Olhando para os seres sabemos que cada um veio a esta experiência trazendo uma representação do  sagrado .Podemos então pegar uma fatia desta visão divina da vida e trazer para o que hoje tem se falado muito que são as representações  do Sagrado como Feminino (mulheres) e Masculino (homens).

Bom ,para alguns  aí que começa a confusão.
Se falarmos de polaridades todos temos a energia feminina e masculina , Yin e Yang , em que cada uma tem o seu papel importante na construção da vida,que em junção e equilíbrio fazem grandes construções  . Uns confundem a ligação do sagrado com o feminismo  e machismo, se distanciando do sentido verdadeiro do sagrado que antecede a tudo isso e onde não existe separação.

Cada um de nós trazemos em essência a divindade que somos, independente do sexo, religião, orientação sexual, status social, somos divinos e parte de tudo e o movimento de negar a isso traz grandes conflitos entre a nossa alma e mente.

Da conexão com o  sagrado trazemos  para luz a divindade presente em nós e pode-se fazer isso respeitando cada arquétipo feminino e masculino que ao serem acessados seja no homem ou na mulher irão  levar para o verdadeiro sentido do que vem a ser a maturidade.

Um ser maduro é capaz de respeitar o que quer que seja , incluir o máximo de tudo , se enxergar e unir a sua força sem precisar mais entrar em guerras interiores e exteriores por se conhecer e se reconhecer no outro  .

Existem  mistérios envolvendo estes movimentos onde mulheres cada vez mais se interessam em reconhecer este divino nelas o que  tem levado mais homens a também se interessarem em  fazer esta conexão.

Algumas tribos antigas já faziam isso através dos ritos de passagem onde o homem e a mulher recebiam seu lugar no mundo dentro da representação das divindades e dos ancestrais , geralmente nestes lugares cada um exercia o seu papel de forma madura e era visto e reconhecido por todos.

Atualmente isso quase não existe e os ritos de passagem são bem distorcidos, mas este tema vou aprofundar em um outro texto, o importante é sabermos que em essência somos todos divinos e carregar esta informação, que vem da alma, nos faz amadurecer e tomar o nosso lugar no mundo de forma mais respeitosa e harmoniosa.

Geralmente conhecemos primeiro como representação da mulher a mãe e do homem o pai, e sabemos que vai muito além disso, pois ao acessarmos o divino reconhecemos e reencontramos a nossa divindade através do que representamos nesta experiência.

Ao acessar o feminino sagrado as mulheres não veem mais apenas a mãe como representante mas todas quer vieram antes dela, recebem a força das suas experiências e podem acolher melhor o movimento de cura que se estende até a sua chegada nesta árvore genealógica, deste movimento nasce a conexão com as divindades femininas e reconhecimento nas outras desta parte sagrada.

O mesmo acontece com os homens que acessam o seu sagrado, reconhecendo que  também precisa ser curado, onde nos momentos de dor e passividade  muitas vezes a sua potência foi colocada a prova, ensinado a não chorar, disputar espaço  e agredi.

Quando um homem e uma mulher aceitam o sua inteireza tudo que é visto como distúrbio como a passividade , manipulação , vulnerabilidade, disputa e agressividade ganham o seu lugar e passa a servir a um propósito maior. O movimento de cura sempre  acontece na integração do que é excluído em todos nós para que se harmonize e cumpra o seu papel.

Encontrando o que somos deixamos que os outros sejam , nossa forma de comunicar com o mundo fica clara pois existe clareza em nós ,  através da nossa cura todos os relacionamentos que temos ganham força.
Homem e Mulher ganham o verdadeiro sentido da palavra munidos de energia e pulso de vida , sem disputa por espaço .

Acredito que essa intimidade com o que é sagrado ,nasce a coragem de ser verdadeiramente intimo nas relações.
O Sagrado Feminino e Masculino vêm mostrar que não somos iguais mas semelhantes e esta semelhança em essência é o que nos une e unidos realmente fazemos novos movimentos para que outros tenham acesso ao que já reconhecemos em nós.

Munidos da nossa melhor versão, mais madura e então Sagrada abraçamos a dignidade dentro e fora de forma que o respeito por tudo que é contrário serve para nos mostrar mais do que somos e de onde viemos.

E o “para onde vamos” se torna o próprio caminho Divino.

Texto: Eddy Maia

Fonte: Curandeiras de Si 

Cristalterapia

Cristaloterapia?

O Corpo humano contem de 70 a 78% de silício e água. Os Cristais são constituídos de dióxido de silício e água, portanto quando trabalhamos com cristais, se produz uma interação enorme da amplificação desta energia nos nossos corpos energéticos.

A energia flui como uma corrente elétrica e os cristais têm o poder de amplificar e transmitir essa energia numa freqüência vibracional, nos capacitando para nos abrirmos para outros níveis de consciência. Ajudam também a romper cristalizações de padrões negativos enraizados no nosso campo áurico. Portanto, eles nos abrem para promovermos a nossa própria cura.

O Cristal limpa, harmoniza e energiza o nosso campo áurico e nossos chacras que são nossos grandes receptores e captadores de energia, com os quais interagimos com o meio ambiente e com as pessoas. As pedras preciosas também são utilizadas nas terapias, e na sua variedade de cores e formas elas contém substâncias específicas que irão diferenciar suas capacidades terapêuticas e energéticas. Por exemplo: As pedras rosas são boas para se trabalhar o chacra cardíaco e problemas afetivos já as azuis para processos mentais e são pedras calmantes.

A terapia com cristais atua no corpo humano por via do eletromagnetismo, estimulando a organização celular, reposição mineral, reequilíbrio da energia vital e regeneração dos órgãos,
permitindo à pessoa reunir os recursos ideais para recuperar o seu estado original de saúde.

Os cristais podem ser parceiros para nossa cura e harmonização de muitas formas: através da sessão terapêutica com um cristaloterapeuta, através de técnicas de meditação com um cristal específico, através de cristais dispostos criteriosamente em um ambiente… enfim, há muitas formas de conectar-se com as propriedades de autoconhecimento e cura existentes neles.

Vale a pena experimentar a cura que o Reino Mineral nos oferece!

FONTES:

http://somostodosum.ig.com.br/ja/detalhes.asp?acao=artigos&vid=201,3&id=492

https://www.viralagenda.com/pt/events/372108/cristaloterapia-terapia-com-cristais

Constelação Familiar Sistêmica: a terapia que mudou a minha vida!

Por Carolina Vila Nova

Constelação Familiar Sistêmica é uma terapia criada pelo psicanalista alemão Bert Hellinger, que ocorre de forma energética e fenomenológica.  A terapia acontece em um local onde haja espaço para um grupo de pessoas e sua movimentação. Há um terapeuta que comanda a sessão, chamada de Constelação. Pouco é falado pelo terapeuta. E menos ainda pela pessoa constelada (o paciente). A sessão ocorre em forma de movimentos: a energia surge do inconsciente do constelado e um grande fenômeno acontece.

O terapeuta pergunta ao paciente o que ele veio buscar ali naquele dia. O paciente responde, por exemplo, que precisa resolver um problema em seu casamento. O terapeuta solicita que a pessoa constelada escolha alguém do grupo presente para representá-la. A pessoa, então, escolhe alguém e posiciona a mesma no espaço que se tem para a constelação, denominado como campo (geralmente uma grande sala vazia, rodeada de pessoas sentadas à sua volta). O constelado se senta. Em segundos, a pessoa que foi colocada no campo como representante começa a se movimentar. Esta pessoa simplesmente sente vontade de agir de uma determinada forma e o faz. Cada gesto tem um significado. E o terapeuta pode ler, através desses gestos, os passos seguintes a serem executados. Mais pessoas vão sendo escolhidas, uma a uma, para representar a situação da pessoa constelada. No exemplo citado, escolher-se-ia mais um representante para o cônjuge. Em seguida, representam-se os pais para o constelado e seu cônjuge. Filhos, irmãos e outros podem ser também representados. A ordem das representações e quem acaba sendo representado é sempre orientado pelo terapeuta.

O que ocorre é que os representantes, no campo da constelação, acabam agindo como atores mágicos, atuando como os personagens da vida da pessoa constelada. Podem-se ver pessoas chorando, gritando, dançando, falando, como se tivesse existido ali um roteiro criado e estudado da vida daquela pessoa. É algo tão real, que chega a parecer mágico.

Uma constelação pode durar trinta minutos, uma hora, ou até uma hora e meia. Não existem regras. Existe um movimento energético que todos sentem e o terapeuta, além de sentir, interpreta e guia. Através dos acontecimentos mostrados pelos representantes, o constelado vê a sua própria vida passando pelos seus olhos, mas sob uma nova perspectiva: do todo. A constelação familiar sistêmica leva sempre em consideração a importância dos membros da família: pais, avós, irmãos, filhos e netos, além de cônjuges, filhos adotados e quem mais pertencer àquele ciclo familiar. Ninguém nunca pode ser excluído. Ou veem-se as consequências de tal exclusão no mesmo meio familiar.

É possível descobrir segredos através de uma constelação familiar, uma vez que toda a verdade que cerca a vida de uma pessoa e de sua família está impregnada em seu inconsciente. E aí, então, manifesta-se. Por exemplo: pode existir, numa família, uma criança que foi adotada, que não é legítima, mas que não foi apresentada como tal. Numa constelação, esta informação se revela. Bem como outras.

A constelação familiar é uma terapia intensa, surpreendente. Chega a ser chocante, tamanha a verdade que se vê e o pouco que se compreende em sua manifestação. Não apenas a pessoa constelada se beneficia, em sua sessão, mas todos os representantes que participam da terapia, pois acabam sempre sendo escolhidos energeticamente pelo inconsciente do constelado, de forma que aquela pessoa sempre terá alguma identificação, em si mesma, com o que virá a representar no campo. Esta também se beneficia: cura-se.

Segundo Bert Hellinger, não devemos tentar entender o que acontece numa constelação. Quando se tenta compreender, de alguma forma interrompemos ou atrapalhamos a energia que está no comando da situação. Como seres humanos, confusos e tão pequenos, afirmo que é muito difícil ver tamanha manifestação e não tentar compreendê-la. Mas, aos poucos , aprendemos a apenas aceitá-la e a não mais entendê-la.

Quando uma sessão acaba, pode ser que a mesma tenha indicado uma tarefa a ser realizada, como por exemplo: conversar com o cônjuge sobre algo do passado e que transformou aquela união em algo ruim. Ou pode ser que nada mais precise ser feito. A energia liberada ali continua se manifestando. E as mensagens trocadas naquele momento agem como se realmente tivessem acontecido com as pessoas reais ali representadas.

Quando eu mesma fiz a minha primeira constelação, fiquei em estado de choque por alguns dias. Descobri alguns segredos de mim mesma e dos demais. Após duas semanas, comecei a perceber grandes mudanças em mim. Com o passar do tempo, percebi que as pessoas envolvidas em minha sessão também haviam começado a mudar em relação a mim e às minhas questões.

A mudança foi tamanha, que constelei mais duas vezes, de meses em meses. Esta não é uma terapia que pode ser feita regularmente como a pessoa a ser constelada. Tem que se dar tempo ao tempo, literalmente. Como representante, pode-se participar sempre.

Meses após minhas constelações, vi mudanças que nunca, nem como escritora, havia sonhado. Nem em meu pico mais alto de criatividade poderia ter inventado tamanhas reviravoltas em minha vida. Estas que me levaram a um estágio melhor de vida e de consciência: autoconhecimento e aceitação. Resignação diante daquilo que é, do que não se muda.

Muito há para se falar da Constelação Familiar Sistêmica. Apesar de adepta da terapia, ainda sinto que apenas duas páginas para se falar do assunto é extremamente pouco. Mas, enquanto não me especializo no assunto para a escrita do merecido e sonhado livro a respeito, fica aqui o meu testemunho e desejo de que todos saibam da existência e poder desta viva terapia.

A Constelação Familiar Sistêmica, a meu ver, é a mais intensa, forte e viva terapia nos dias atuais. Para alguns, pode ser que seja intensa e real demais. Ainda assim, vale a pena conhecer e falar com o terapeuta a respeito. E depois, talvez, decidir-se por ela.

FONTE:

http://www.contioutra.com/constelacao-familiar-sistemica-a-terapia-que-mudou-a-minha-vida/

reiki-4

Reiki também para o tratamento da Compulsão Alimentar

A humanidade caminha para uma tendência da busca por ser sempre mais saudável. Hoje muita gente procura formas de aumentar a qualidade de vida, praticar esportes, se alimentar melhor e o que for preciso para alcançar o objetivo de viver mais e melhor. Porém, os níveis de obesidade da população ocidental ainda são muito altos, principalmente por conta de uma alimentação muito ruim a partir da segunda metade do século XX.

A compulsão alimentar também se enquadra como uma das principais causas para esse problema que atinge tantas pessoas nesse lado do mundo. A doença – sim, é uma doença de fundo psicológico – acaba sendo impulsionada pela alimentação ruim, repleta de comidas muito industrializadas que pouco saciam, ou ainda com açúcar demais, que pode causar esse efeito de ‘fome sem fome’.

A compulsão alimentar é um problema sério, que pode muito bem levar à obesidade. Se trata daquela vontade de comer mesmo sem ter fome, ou tendo comido há pouco tempo. Pode se chamar também como a famosa gula. Mas é possível reverter o quadro e alcançar evolução para ser menos compulsivo através do Reiki, que lhe ajudará a lançar um olhar consciente para as origens dessa compulsão e assim alcançar a cura permanente através de uma alimentação mais saudável. A formação em Reiki trabalha no iniciado a perspectiva de que o cuidado com o corpo físico também é parte da harmonização energética necessária para o nosso bem-estar.

O Reiki é uma técnica oriental, desenvolvida por um monge japonês no começo do século XX, que está se tornando cada vez mais popular nesse lado do mundo. A prática se baseia em canalizar as energias divinas do ambiente através das mãos para harmonizar o corpo, a mente e até mesmo o espaço ao redor. Por isso, é considerada poderosa contra distúrbios psicológicos como a compulsão alimentar, pois trata a matriz das nossas enfermidades, matriz essa que, segundo a filosofia do Reiki, é sempre caracterizada por um desequilíbrio das energias do corpo, tanto corpo físico como corpos sutis.

O Reiki funciona como uma energia intuitiva, pois age na causa do problema. Atua de forma holística em todos nossos campos: físico, energético, emocional, mental e espiritual, restaurando o equilíbrio de nossos centros energéticos (chakras) e, consequentemente, harmonizando todo o osso organismo, melhorando nossa qualidade de vida.

A técnica para aplicação do Reiki possui algumas posições específicas, formuladas pelo seu fundador, o Mestre Mikao Usui. Estas posições permitem que a energia seja adequadamente direcionada para todos nossos órgãos vitais, fazendo com que o Reiki funcione como um apoio aos tratamentos médicos convencionais, mas nunca em substituição a eles.

A energia percorre todo nosso organismo, aliviando as dores e os sintomas e restaurando nosso equilíbrio natural. O Reiki funciona de forma totalmente segura, sem contraindicações e é compatível a qualquer tratamento existente. Pode também ser usado em medicamentos, potencializando os efeitos bons e minimizando os colaterais.

FONTES:

https://www.terra.com.br/noticias/dino/reiki-para-tratamento-da-compulsao-alimentar,a75e926506f455d513394582f4327f887uqf1mod.html

O que é Magia?

Magia é o ato de evocar poderes e mistérios Divinos e coloca los em ação, beneficiando-nos ou aos nossos semelhantes.

Muitas são as magias já reveladas e abertas ao plano material da vida. Há magias astrológicas, lunares, solares, elementais, espirituais, telúricas, aquáticas, ígneas, eólicas, minerais etc.

Ninguém sabe ao certo quem as recebeu e as iniciou no plano material. Mas grandes iniciados, cujos nomes se imortalizaram na história religiosa, iniciática, esotérica e ocultista da humanidade, com certeza foram os responsáveis por elas e foram os seus doadores, pois todo grande iniciado é um mensageiro Divino e traz, em si, atributos e atribuições divinas não encontradas nas outras pessoas, às quais beneficiam com suas revelações.

Todo grande iniciado já encarna preparado, em espírito, e tudo para ele é tão natural que, dispensando os procedimentos religiosos, magísticos, ocultistas ou iniciáticos existentes, dá início aos “seus” próprios procedimentos, pois traz em si uma outorga Divina e é “iniciador” natural das pessoas que se afinizam com ele e o adota como tal.

Só ativa ou desativa magias quem já tiver sido iniciado magisticamente, porque as divindades só reconhecem como aptos para esse mistério quem cumpriu as etapas iniciáticas estabelecidas pelo seu iniciador.

AYAHUASCA-

O que é AYAHUASCA?

Definição:
Ayahuasca, nome quíchua de origem inca, refere-se a uma bebida sacramental produzida a partir da decocção de duas plantas nativas da floresta amazônica: o cipó Banisteriopsis caapi (mariri ou jagube), que serve como IMAO e folhas do arbusto Psychotria viridis (chacrona ou rainha) que contém o princípio ativo dimetiltriptamina.

É também conhecida por yagé, caapi, nixi honi xuma, hoasca, vegetal, daime, kahi, natema, pindé, dápa, mihi, vinho da alma, professor dos professores, pequena morte, entre outros. O nome mais conhecido, ayahuasca, significa “liana (cipó) dos espíritos”.

Utilizada pelos incas e também por pelo menos setenta e duas tribos indígenas diferentes da Amazônia. É utilizada em paises como Peru, Equador, Colômbia, Bolívia e Brasil.

Seu uso se expandiu pela América do Sul e outras partes do mundo com o crescimento de movimentos religiosos organizados, sendo os mais significativos o Santo Daime, a União do Vegetal, a Barquinha, além de dissidências destas e grupos (núcleos ou igrejas) independentes que o consagram em seus rituais.
Origens:
A utilização de substâncias naturais que potencializam a percepção é uma prática milenar presente em várias culturas. Historicamente sabe-se que o uso de plantas de poder sempre teve a finalidade de alterar a maneira cotidiana de entender as coisas, estabelecendo uma ponte entre os homens e as suas divindades.

Diversos registros confirmam isto. Estudos indicam que os Essênios já utilizavam plantas de poder em rituais de iniciação. Os índios mexicanos e norte-americanos utilizam o cacto Peiote. Há amplos registros de uso de cogumelos pelos povos da América Central. Os registros mais antigos indicam que os Vedas, a 3.100 a.c. já praticavam rituais onde comungavam uma bebida conhecida como “Soma”. Na América do Sul temos o uso da Ayahuasca, proveniente dos Incas.

No Brasil a Ayahuasca vem sendo utilizada há milênios pelos povos indígenas da região amazônica e recentemente pela União do Vegetal e pelo Santo Daime. A proposta básica destes e de diversos outros grupos é atingir o autoconhecimento através de experiências de tipo místico-espiritual, onde por meio de visões e estados de expansão da consciência chega-se a um estado de integração total com o cosmos, com a natureza e com o Criador.

Enteógeno:
A primeira vista este chá normalmente é classificado pela sociedade como ‘droga’ ou ‘alucinógeno’. Isto de forma alguma deve desmerecer a Ayahuasca ou as pessoas que dela fazem uso, melhor seria esclarecermos que de acordo com a nomenclatura científica utilizada no mundo inteiro se denomina ‘droga’ qualquer substância, de origem animal, vegetal ou mineral, que, uma vez introduzida em um organismo vivo, produz alterações de ordem fisiológica, desta forma também podemos classificar como droga o café, o açúcar, o guaraná, o chimarrão, etc. Lembramos também que muitas drogas são usadas para salvar vidas.

Porém, como socialmente se associa a palavra ‘droga’ as substâncias destrutivas e desestruturadoras, que causam dependência física e/ou psíquica, provocando desequilíbrios sociais, convém esclarecer de forma enfática que a Ayahuasca não se enquadra nesta categoria já que o uso dela não desequilibra, não causa dependência, nem destrói, muito pelo contrário, as pessoas que dela fazem uso são pessoas que buscam continuamente melhorar a si mesmas através do autoconhecimento, da evolução espiritual, e pregam a paz mundial, a harmonia entre os povos, o respeito pela natureza, etc., metas essas que só se atinge na plenitude das faculdades físicas e mentais.

Os que classificam a Ayahuasca como ‘alucinógeno’ também cometem impropriedade conceitual, segundo o antropólogo norte-americano Gordon Wasson, em entrevista à revista Globo Ciência. Ele distingue ‘estados alterados de consciência’ ou ‘alucinações’ de ‘estados ampliados de consciência’ – sendo estes alcançados com a ingestão de Ayahuasca em contexto religioso, sob a supervisão de um dirigente responsável. Para alguns pesquisadores, a classificação da Ayahuasca como “alucinógeno” é uma imprecisão, pois a mesma não causa perda do contato com a realidade – como pressupõe o termo – mas sim um grau ampliado de percepção que permite a compreensão daquela realidade com maior clareza ou transcendência.

Nesse sentido, pesquisadores da área de Etnobotânica têm proposto a classificação da Ayahuasca como “Enteógeno”, ou seja, substância que “gera uma experiência de contato com o divino”, causando uma sensação generalizada de aproximação com o Sagrado e facilitando o autoconhecimento e o aprimoramento do ser humano.

Até o momento, ninguém jamais conseguiu demonstrar qualquer afirmação negativa contra o uso ritualístico da Ayahuasca ou mesmo que contrarie o que sempre afirmamos, que a mesma utilizada em contexto religioso, é benéfica à saúde física e espiritual do ser humano.

Não se conhece um único caso de alguém dependente física ou mentalmente da Ayahuasca. Da mesma forma, não se tem conhecimento de nenhuma pessoa que, utilizando-a em rituais religiosos, sob a orientação de pessoas experientes, tenha sofrido qualquer espécie de dano. O que há habitualmente é justamente o contrário, ou seja, numerosos casos de pessoas que reestruturaram a vida familiar e profissional, a partir do uso em contexto religioso.

temazcal

Temazcal

O Temazcal ou Tenda do Suor é uma tradição milenar usada por nossos antepassados com o objetivo de curar, limpar e purificar corpo e espírito. A cerimônia é dos primeiros e mais antigos ensinamentos que existem. Vem da origem. E a origem é no ventre de nossa Mãe Terra, numa das primeiras cerimônias que temos na hora de vir a tomar forma, a tomar força, de nos encontrarmos como os quatro elementos e direções, com o Criador, o Grande Espírito.Representa o ventre da nossa Mãe Terra, de onde se é concebido, onde se é alimentado como semente para chegar a termos a unidade com todos os poderes do Universo. É das primeiras cerimônias entregues ao ser humano e está baseada na benção e purificação, através do líquido sagrado que é a água, através do calor da vida, do vento e do fogo. É uma cerimônia conhecida como a “Cabana das Pedras Anciãs”. Usam-se pedras que se solidificaram, após receberem o calor nas entranhas da Mãe Terra e virem à superfície. É uma cerimônia do Fogo Sagrado, onde se relembra primeiro o calor guardado por estas pedras que já foram lava um dia.

Estas pedras são aquecidas e levadas pelo “homem fogo” a uma cabana que representa o umbigo da Mãe Terra. Ali são depositadas e é onde as pessoas se reúnem para as receber. Plantas aromáticas são utilizadas para agradecer e bendizer a vida. Estas plantas são depositadas sobre as pedras, onde liberam a sua essência ao serem aquecidas pelo calor, pelo fogo armazenado nestas pedras. Depois de terem a oportunidade de respirar este aroma, as portas são fechadas e todos juntos compartilham um mistério, uma escuridão, o interior, um momento de profundidade e de união com o Universo. Neste momento a água é depositada sobre as pedras. Aí começamos a nos dar conta de como o Poder se move, porque esta água que cai sobre as pedras, imediatamente nos é retornada de uma forma muito mais leve, em forma de vapor.

Nesta ocasião se manifestam e equilibram a medicina, o conhecimento, a sabedoria que podem ser aspiradas. A isto chamamos de “memória do primeiro alento”, a memória do momento de quando fomos concebidos. É uma das cerimônias mais antigas, onde recebemos o conselho de nossos antepassados, de como foi que obtemos a vida que temos agora.