Homeopatia-

Homeopatia

A homeopatia é um sistema medicinal alternativo que contempla a totalidade do ser humano em detrimento de doenças isoladas. Ela atua por meio de estímulos energéticos desencadeados por medicamentos homeopáticos com o intuito de reequilibrar a energia vital dos pacientes.

A homeopatia é orientada por quatro princípios: lei dos semelhantes, experimentação na pessoa sadia, doses infinitesimais e medicamento único.

O princípio da lei dos semelhantes estabelece que uma doença específica pode ser curada pela substância capaz de reproduzir os mesmos sintomas da doença. Ou seja: o que causa mal a alguém “saudável” pode curar alguém doente. Se um veneno produz efeitos como vômitos em uma pessoa, a versão homeopática (diluída) desse mesmo veneno poderá tratar pacientes com problemas de vômitos recorrentes, e assim por diante.

A experimentação na pessoa sadia dita que os testes de medicamentos homeopáticos devem ser realizados em pessoas – nunca animais – saudáveis. Dessa maneira, é possível avaliar os efeitos objetivos e subjetivos no grupo de experimentadores (como são chamados) e encontrar, em termos gerais, o “veneno que em doses homeopáticas cura”.

De acordo com a homeopatia, o indivíduo não tem apenas uma doença: ele carrega um desequilíbrio que se manifesta de diferentes formas ao longo da vida. Por esse motivo, a função do médico homeopata é restaurar o organismo aos estágios que precedem a vida, no caminho da cura. É considerada, portanto, um tratamento preventivo e curativo.

A homeopatia é frequentemente indicada para problemas do trato gastrointestinal, ginecológicos, dermatológicos, respiratórios e falta ou expressão exagerada de “resistência” (infecções virais e bacterinas frequentes e doenças alérgicas). Além disso, pode buscar a cura para problemas emocionais como a depressão.

 

“Os mais inestimáveis tesouros são; a consciência irrepreensível e a boa saúde.  O amor a Deus e o estudo de si mesmo oferecem uma;   a homeopatia oferece a outra.”    — Samuel Hahnemann

dna

Cientistas revelam: DNA possui funções mediúnicas

“Nosso DNA é um biocomputador”, dizem cientistas russos.

Pesquisas científicas estão explicando os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.

Quando os cientistas começaram a desvendar o mundo da genética, compreenderam a utilidade de apenas 10% do nosso DNA.

O restante (90%) foi considerado “DNA LIXO”, ou seja: sem função alguma para o corpo humano.

Porém, este fato foi motivo de questionamentos, pois alguns cientistas não acreditaram que o corpo físico traria algum elemento que não tivesse alguma utilidade.

E foi assim que o biofísico russo e biólogo molecular Pjotr Garjajev e seus colegas iniciaram pesquisas com equipamentos “de ponta”, com a finalidade de investigar os 90% do DNA não compreendido.

E os resultados apresentados são fantásticos, atingindo aspectos antes considerados “esotéricos” do nosso DNA.

 

O QUE AS PESQUISAS ESTÃO CONCLUINDO?

1. O DNA tem capacidade telepática

A partir das últimas pesquisas, cientistas concluíram que o nosso DNA é receptor e transmissor de informações além do tempo-espaço.

Segundo essas pesquisas, o nosso DNA gera padrões que atuam no vácuo, produzindo os chamados “buracos de minhoca” magnetizados! São “buracos de minhocas” microscópicos, semelhantes aos “buracos de minhocas” percebidos no Universo.

Sabe-se que “buracos de minhocas” são como pontes ou túneis de conexões entre áreas totalmente diferentes no universo, através das quais a informação é transmitida fora do espaço e do tempo.

Isto significa que o DNA atrai informação e as passa para as células e para a consciência, uma função que os cientistas estão considerando como a internet do corpo físico, porém muito mais avançada que a internet que entra em nossos computadores.

Esta descoberta leva a crer que o DNA possui algo que se pode chamar de telepatia interespacial e interdimensional. Em outras palavras, O DNA está aberto á comunicações e mostra-se suscetível a elas.

Pesquisas relacionadas à recepção e transmissão de informações através do DNA estão explicando os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.

 

2. Reprogramação do DNA através da mente e das palavras

O grupo de Garjajev descobriu também que o DNA possui uma linguagem própria, contendo uma espécie de sintaxe gramatical, semelhante á gramática da linguagem humana, levando-os a concluir que o DNA é influenciável por palavras emitidas pela mente e pela voz, confirmando a eficácia das técnicas de afirmação, de hipnose (ou auto hipnose) e de visualizações positivas.

Esta foi uma descoberta impressionante, pois diz que se nós adequarmos as frequências da nossa linguagem verbal e das imagens geradas por nosso pensamento, o DNA se reprogramará, aceitando uma nova ordem e uma nova regra, a partir da ideia que está sendo transmitida.

O DNA, neste caso, recebe a informação das palavras e das imagens do pensamento e as transmite para todas as células e moléculas do corpo, que passam a ser comandadas segundo o novo padrão emitido pelo DNA.

Os cientistas russos estão sendo capazes de reprogramar o DNA em organismos vivos, usando as frequências de ressonância de DNA corretas e estão obtendo resultados bastante positivos, especialmente na regeneração do DNA danificado!

Utilizam para isso a Luz Laser codificada como a linguagem humana para transmitir informações saudáveis ao DNA e essa técnica já está sendo aplicada em alguns hospitais universitários europeus, com sucesso em vários tipos de câncer de pele. O câncer é curado, sem cicatrizes remanescentes.

 

3. O DNA responde á interferências da Luz Laser

Continuando nessa linha de pesquisas, o pesquisador russo Dr. Vladimir Poponin, colocou o DNA em um tubo e enviou feixes de Luz Laser através dele. Quando o DNA foi removido do tubo, a Luz Laser continuou a espiralar no DNA, formando como que pequenos chacras e um novo campo magnético ao redor do mesmo, maior e mais iluminado que o anterior.

O DNA mostrou-se agir como um cristal quando faz a refração da Luz, concluindo que o DNA irradia a Luz que recebe.

Esta descoberta levou os cientistas a uma maior compreensão sobre os campos eletromagnéticos ao redor das pessoas, assim como também compreenderam que as irradiações emitidas por curadores e sensitivos acontecem segundo esse mesmo padrão: receber e irradiar, aumentando e preenchendo com Luz o campo eletromagnético ao redor.

Assuma o Comando do seu Ser!

As pesquisas estão ainda em fases iniciais, e os cientistas acreditam que ainda vão descobrir muitas outras coisas interessantes!

Por enquanto, as conclusões nos estimulam a continuarmos com as técnicas de afirmações positivas, cuidando dos nossos pensamentos e das imagens por ele geradas, a fim de que as transmissões sejam correspondentes a saúde, ao bem estar e a harmonia, enviadas não apenas ao DNA como também para todo o corpo!

Tenho certeza de que o nosso DNA agradece por suas informações positivas transmitidas a ele!

Que tal melhorar as suas transmissões verbais e mentais?

Comunique-se positivamente com seu corpo e reprograme seu DNA!

 

 

                                                                                                                                                                 (Fonte:http://osolinterno.blogspot.com.br/2013/08/cientistas-revelam-dna-possui-funcoes.html)
registro

Seu corpo registra energeticamente sua história de vida

Mais eficiente que a memória do computador, seu corpo registra tudo que aconteceu com você desde a infância até agora. O psicólogo e teólogo francês Jean-Yves Leloup relaciona símbolos arcaicos com várias partes do corpo e esclarece as causas físicas, emocionais e espirituais das boas sensações e de algumas doenças.

Uma página em branco. É assim o corpo novinho em folha do recém-nascido. Desde o instante do nascimento e a cada fase da vida, a pele, os músculos, os ossos e os gestos registram dados muito precisos que contam nossa história. “O homem é seu próprio livro de estudo, basta ir virando as páginas para encontrar o autor”, diz Jean-Yves Leloup, teólogo, filósofo e terapeuta francês.

É possível escutar o corpo e conhecer sua linguagem, que muitas vezes se expressa por sensações prazerosas, por bloqueios ou pela dor, que nada mais é do que um grito para pedir atenção. “O corpo não mente. As doenças ou o prazer que animam algumas de suas partes têm significados profundos”, revela Leloup.

Ele nos convida a responder algumas questões sobre pés, tornozelos, ventre, genitais, coração, pulmões e muitas outras partes. Elas podem ser nosso guia em uma viagem de autoconhecimento que toca em aspectos físicos, emocionais e espirituais: “Primeiro, podemos notar qual é nosso ponto fraco, o lugar de nosso corpo em que vêm se alojar, regularmente, a doença e o sofrimento. Há a escuta psicológica pela qual podemos prestar atenção no medo ou na atração que vivemos em relação a algumas partes do corpo. E há ainda a escuta espiritual. O espírito está presente em nosso corpo, e certas doenças e algumas crises são manifestações do espírito, que quer trilhar um caminho, que quer crescer, que quer desenvolver-se em membros que lhe resistem”, diz ele. E continua: “Algumas depressões estão ligadas a fatores emocionais, a um rompimento, uma perda, uma falência. Mas há também depressões iniciáticas, em que a vida nos ensina, por meio de uma queda, um acidente, que devemos mudar nosso modo de viver”.

O Reiki, assim como outras filosofias e práticas de cura holística, desenvolve a nossa capacidade de perceber melhor as nossas energias e o que elas querem dizer a nosso respeito, bem como nos auxiliam a “ler” melhor as pessoas que amamos.

Descubra a seguir quais são os símbolos associados por Jean-Yves Leloup a cada parte do corpo e responda às questões, que facilitam a reflexão e o reconhecimento do que está impresso em você. Boa viagem!

Pés, as nossas raízes

“Será que experimentamos prazer em estar sobre a terra? Podemos imaginar o corpo como um árvore. Se a seiva está viva em nós, ela desce às raízes e sobe até os mais altos galhos. É de nosso enraizamento na matéria que depende nossa subida à luz. É da saúde de nossos pés que vem o enraizamento”, explica Leloup.

Ele lembra que em diferentes práticas de ioga há a purificação dos pés, que são mergulhados na água salgada. “Pelos pés podem escorrer nossas fadigas e tensões.”

“A palavra pé, podos, em grego, relaciona-se à palavra paidos, que quer dizer criança. Cuidar dos pés de alguém é cuidar da criança que o habita. Perguntei a um sábio: ‘O que posso fazer para ajudar alguém?’ Ele respondeu: ‘Lembre-se de que essa pessoa foi uma criança, que ainda é uma criança. E que tem dor nos pés.’”

Preste atenção: verifique se seus pés são seu ponto fraco. Como você se apoia sobre eles? Em seguida, toque-os, sentindo ossos, músculos e partes mais ou menos sensíveis. Quais são suas raízes familiares? Quais as expectativas de seus pais em relação a você? Qual seu sentimento em relação a filhos?

Tornozelos, a possibilidade de ir em frente

Termômetro da rigidez ou da flexibilidade com que levamos a vida, os tornozelos têm relação direta com o momento do nascimento. “Por que esse é também um momento de articulação entre a vida dentro e fora do útero. Alguns de nós conheceram dificuldades e viveram até traumas nesse elo que une a vida fetal com o mundo exterior. O corpo guardou essa memória e a expressa na fragilidade dos tornozelos”, diz o filósofo.

Segundo Leloup, os tornozelos simbolizam também o refinamento da vida, as relações íntimas e a articulação do material com o espiritual. As pessoas em que o tornozelo é o ponto fraco têm dificuldade de avançar nos vários aspectos da vida. Dar um passo a mais é ir além de nossos limites e também saber aceitar o que se é, seja isso agradável ou não. “Essa é a condição para ir mais longe”, finaliza ele.

Preste atenção: você costuma ter dor nos tornozelos? Essa região é rígida ou flexível? Sofreu entorses? Em que momentos de sua vida eles ocorreram? É difícil avançar em direção ao que você quer? Qual é o passo que você precisa dar e o passo ao qual resiste?

Joelhos, o apoio para dar e receber colo

A flexibilidade é uma das qualidades importantes para que os joelhos sejam saudáveis. “Quando eles são rígidos, é provável que surjam problemas na coluna vertebral e nos rins”, lembra Leloup, que nos revela o significado mais profundo dessa parte do corpo. “Em algumas línguas, estranhamente há uma ligação entre a palavra filho e a palavra joelho. Em francês, por exemplo, genou, joelho, tem a mesma raiz da palavra générer, gerar. Em hebraico, joelho é berekh, e também bar e bèn, que significa filho. Assim, ser filho, ser filha é estar no colo, envolvido por esse gesto, que é o elo entre os joelhos e o peito. Temos necessidade de dar e receber essa confirmação afetiva. E manter alguém no colo, sobre os joelhos serve para manter o coração aberto”, finaliza.

Preste atenção: observe como são seus joelhos. Eles são flexíveis, rígidos, doloridos? É bom tocá-los ou não? Quem o pegou no colo quando você era criança? Esse gesto de intimidade é familiar para você? Qual a sensação? E você, para quem dá colo (seja fisicamente, seja como símbolo de acolhimento)?

Genitais, a energia de vida

O teólogo Jean-Yves Leloup fala dos tipos de amor e prazer, dos traumas e das sensações vividos na infância que marcam para sempre nossa sexualidade. Ele ressalta que o encontro de dois corpos pode ser mais que físico. “A representação mais primitiva de Deus foi encontrada na Índia e são o lingan e a ioni, o símbolo fálico masculino e o genital feminino. Assim a representação do sexo foi a primeira feita pelo homem para evocar Deus – porque o sexo é onde se transmite a vida. Dessa maneira, passa a ser o local da aliança, algo de muito sagrado”, considera Jean-Yves Leloup. “Portanto, a sexualidade não é somente libido. Essa libido pode tornar-se paixão, passar através do coração e transformar-se em compaixão. É sempre a mesma energia vital, que muda e se transforma de acordo com o nível de consciência no qual nos encontramos.”

Preste atenção: quais são suas dores ou doenças relacionadas aos órgãos genitais? Você sofre desses males? Qual a sensação diante dos seus genitais (vergonha, repulsa, prazer)? Qual sua postura em relação à sexualidade (à sua própria e ao sexo no contexto cultural)?

Ventre, o centro processador de emoções

Estômago, intestinos, fígado, vesícula biliar, baço, pâncreas, rins são os órgãos vitais abrigados em nosso ventre. Eles são responsáveis pela transformação do alimento em energia, pela absorção de nutrientes e pela eliminação de toxinas.

Emoções como raiva, medo, prazer e alegria acertam em cheio essa região e também precisam ser digeridas. Leloup aponta que “o perdão tem uma virtude curativa porque podemos tomar toda espécie de medicamento, sermos acompanhados psicologicamente, mas há, por vezes, rancores que atulham nosso ventre, nosso estômago, nosso fígado”. Ele destaca que todas as partes do corpo lembram a importância de respeitar o tempo de digestão e assimilação de tudo que nos acontece de ruim e também de bom.

Preste atenção: como é sua digestão? Quando você tem uma forte emoção, sente frio na barriga ou alguma reação na região? Quais foram os fatos difíceis de ser digeridos em sua vida? O que há por perdoar?

Coração e pulmões, o pulso vital

Esses dois órgãos estão intimamente ligados a nossa respiração. “O coração é um dos símbolos do centro vital, ele é o centro da relação. E é importante observar como nossa vida afetiva influencia nossa respiração.  Às vezes, nos sentimos sufocar porque não correspondemos à imagem que os outros têm de nós, e isso também impede que o coração bata tranquilamente. Para alguns, querer ser normal a qualquer preço, querer agir como todo mundo, pode ser fonte de doenças”, assinala o psicólogo Jean-Yves Leloup.

Agir de acordo com suas vontades mais genuínas e aceitar o que se é, mesmo que isso não combine com o grupo, pode ser uma das formas de se libertar e sair do sufoco.

Preste atenção: você já teve períodos prolongados de angústia ou tristeza? O que liberta sua respiração e o que o sufoca? Você se preocupa muito com a imagem que as pessoas têm de você? Já parou para ouvir as batidas de seu coração e o das pessoas a quem você ama? O que deixou seu coração partido? O que o fez bater feliz?

Fonte: www.universonatural.wordpress.com
reiki-hands

O Reiki como suporte no tratamento do cancer

Reiki é eficaz no tratamento dos diversos malefícios físicos e mentais relacionados com câncer

A aplicação de Reiki nos tratamentos relacionados com cancer demonstrou-se válida e pertinente, neste estudo conduzido por Tsang e Carlson. Além da fadiga, encontrou-se uma melhoria na qualidade de vida em geral da pessoa.

Reiki é eficaz no tratamento do desgaste relacionado com cancer.

Reiki, é um método baseado na energia. Descobriu-se ser útil para reduzir o stress e melhorar a qualidade de vida, na medida em que diminui o cansaço e a ansiedade em pacientes com cancer, de acordo com um estudo recente.

No estudo “Pilot Crossover Trial of Reiki Versus Rest for Treating Cancer-Related Fatigue“, 16 participantes diagnosticados com cancer nos estágios I a IV voluntariaram-se para participar num estudo cruzado para examinar os efeitos do reiki em fadiga, dor, ansiedade e qualidade de vida no geral.

Os participantes receberam Reiki, administrado por um mestre de reiki, por cinco sessões diárias consecutivas, que duraram, em média, 45 minutos por sessão. As sessões foram seguidas por uma semana de pausa de qualquer outra terapia alternativa para poder avaliar os efeitos. Em seguida, duas sessões de reiki adicionais de monitorização.

Todos os participantes completaram questionários antes e depois de todas as sessões de reiki e de pausa no Reiki e os resultados foram surpreendente.

Indivíduos completaram a avaliação funcional da Functional Assessment of Cancer Therapy Fatigue subscale e Functional Assessment of Cancer Therapy, versão geral, que avaliaram a qualidade de vida global. Eles também completaram um sistema que avaliou cansaço diário, dor e ansiedade antes e depois de cada sessão de reiki e resto da escala analógica visual – Edmonton Symptom Assessment System.

“A natureza passiva de Reiki faz com que seja uma intervenção ideal para pacientes com energia limitada que estão a ter dificuldade em se adaptar aos estressores associados ao cancer e seu tratamento”, dizem os autores do estudo.

Fonte: Departamento de Psicologia e do Departamento de Oncologia da Universidade de Calgary, Alberta, Canadá; Departamento de Recursos psicossociais, Tom Baker Cancer Centre, Calgary, Alberta, Canadá, e Faculdade de Enfermagem da Universidade de Alberta, no Canadá.

Autores: Kathy L. Tsang, BA; Linda E. Carlson, Ph.D., CPsych e Karin Olson, RN, Ph.D. Originalmente publicado em

Integrative Cancer Therapies 6 (1), 2007 pp 25-35

SHANKHAPRAKSHALANA-Tikura

Shankhaprakshalana: Limpeza dos Intestinos

Esta técnica não está presente como um dos shat-karmas descritos no Hatha Yoga Pradipika, mas encontra-se como uma das variações citadas na Gheranda Samhita sob o nome de Varisara Dhauti. A palavra Shankhaprakshalana vem das palavras shanka, “concha”, representando os intestinos em sua forma circular, e prakshalana, “lavar completamente”. Varisara igualmente é composta por duas palavras, sendo que vari significa “água” e sara significa “essência”. Esta é uma técnica poderosa, que tem um profundo efeito de limpeza e desintoxicação do corpo.

Sabe-se que a constipação é um mal crônico de nossa sociedade moderna, sendo uma das principais causas do envelhecimento prematuro pela auto-intoxicação que envenena progressivamente o organismo. Essas toxinas passam diretamente ao sangue através da parede do cólon, altamente permeável, razão porque muitos remédios são administrados sob a forma de supositórios, assegurando sua absorção muito mais rápida que a por via oral. A constante auto-intoxicação assim produzida leva a inconvenientes, tais como a halitose, insônia, depressão nervosa, hemorroidas, erupções cutâneas, congestões hepáticas, anemias e câncer.

Os especialistas em autópsias dizem que 60% a 70% dos cólons dissecados contêm matérias estranhas, tais como vermes, de dezenas de anos. As paredes interiores do intestino fino são também seguidamente incrustadas de matérias fecais antigas e duras, lembrando as chaminés que necessitam serem raspadas.

A prática regular dos asanas estimula o funcionamento da circulação, desfazendo as estases sanguíneas do baixo-ventre, facilitando o peristaltismo intestinal, aliviando e curando a maior parte dos casos. Contudo, a prática de shankhaprakshalana que será mostrada a seguir aprofunda ainda mais esses efeitos.

Shankhaprakshalana é uma técnica relativamente simples, pela qual ingerimos água salgada, na mesma concentração do soro fisiológico, para que não seja absorvida pela mucosa intestinal. A água assim ingerida é guiada através do tubo digestivo com o auxílio de movimentos adequados e facilmente executados, mesmo por principiantes. Esta auto-lavagem deve ser feita em jejum e dura, em média, uma hora e meia. À medida que a água é eliminada, observa-se a expulsão de pequenos sedimentos que estavam incrustados na mucosa intestinal e que são responsáveis por fermentações pútridas e irritações crônicas. A água eliminada torna-se cada vez mais clara e transparente até sair completamente limpa. É necessário alternar a ingestão de um copo de água com a realização dos exercícios apropriados, a fim de que não haja acúmulo de líquido em nenhum ponto do aparelho digestivo e que a água continue em movimento. Os resultados fazem-se notar, ainda, em relação a casos de verminoses, quando a expulsão dos ovos e larvas é feita pela pressão da água em movimento.

O procedimento do shankhaprakshalana limpa completamente todo o trato intestinal, desde o estômago até o reto, tonifica as paredes intestinais e favorece o peristaltismo. Pela eficácia de seus resultados, basta executá-lo duas vezes ao ano, sendo a época da mudança das estações a ocasião mais indicada.

O exercício não apresenta nenhuma dificuldade e nenhum perigo, mas a técnica deve ser seguida rigorosamente.

EFEITOS

Shankhaprakshalana é, provavelmente, a melhor maneira de limpar completamente o seu organismo físico, removendo praticamente todas as fezes, vermes e podridões acumuladas em seu intestino por anos a fio. Alivia problemas digestivos como a indigestão, gases, acidez e constipação. Mentalmente, todas as impurezas também são expelidas, sendo um bom momento para reavaliar seus planos.

CONTRA-INDICAÇÕES

Pessoas com problemas na coluna ou em algum lugar do sistema digestivo e excretor devem procurar o seu médico e ou estudar outra forma de aplicar desta limpeza.

Duração do procedimento: uma manhã

holo

Holotrópica – A Terapia da Respiração

RESPIRAÇÃO é vida! É a nossa parte mais vital. Muito pouco tempo é necessário para a vida se esvair se a respiração parar. Quanto mais respiração, mais vida!

Holotrópica é uma técnica de integração e expansão da consciência.

Consiste em técnicas de respirações constantes e circulares, praticadas sob diversas modalidades, que aumentam momentaneamente o volume corrente do pulmão, proporcionam uma concentração maior de oxigênio e fazendo subir o PH do sangue, o que o torna mais alcalino. Essa transformação bio-química propicia experiências alotrópicas de expansão de consciência, euforia, bem-estar e positividade.

Essa técnica, suave e profunda, possui excelentes resultados na integração de conteúdos conflitivos, sempre com foco no aspecto positivo da experiência.

Contudo, podemos também viver no mínimo, com baixa intensidade e profundidade da respiração. Muito bloqueio ou couraça pode se instalar na garganta, na parte posterior do pescoço, nos músculos intercostais e no diafragma, dificultando uma boa e profunda respiração. Talvez o próprio medo de se viver intensamente tenha obstruido o canal. Talvez o medo de sentir. Talvez o medo de se tomar contato com certos sentimentos e dores acumulados do passado. O fato é que nos trancamos e nos defendemos inibindo a nossa vitalidade.

Mas qual é o sentido de todo esse esplendor da vida, se estamos vivendo no mínimo?

Se não conseguirmos dormir profundamente, não conseguiremos estar despertos e revigorados pela manhã. Não dormimos profundamente porque algum medo muito inconsciente nos ronda. Talvez o medo de desaparecer durante o sono(medo da morte). Talvez o de perder o controle (medo de fluir). Ou de encontrar algum monstro do Id por alí (medo dos sentimentos reprimidos).

Se, depois de uma bela e profunda noite de sono, acordarmos para um novo dia, um dia que jamais aconteceu antes e jamais acontecerá depois, e abrirmos os nossos olhos e olharmos pela primeira vez para toda essa incrível existência: bilhões de células devidamente organizadas formando o que chamamos de nosso corpo, respirando, vivo, com consciência; pássaros em revoada cantando e dançando aos primeiros raios do sol; o cheiro e o frescor da manhã; a alegria e a excitação de mais um dia de celebração e profundidade; por que haveremos de nos trancar?

Por medo da dor e da morte vivemos no mínimo, e assim perdemos todo o êxtase e toda a celebração da estar vivo!
Precisamos ir de encontro ao MEDO (DESCONFIANÇA) da MORTE (NÃO RESPIRAR).

Holotrópica, ou Terapia da Respiração, é uma técnica muito simples. Da sua parte ela pede dois ingredientes básicos: RESPIRAÇÃO (VIDA) e CONFIANÇA (CORAGEM – COR – AGEM, agir a partir do Coração).
Da nossa parte , total atenção e conexão com você.

Com essa ferramenta aparentemente simples, você começa uma fantástica viagem para o interior de si mesmo. Durante uma hora de sessão você poderá atravessar inúmeras regiões e estados de consciência.

Estaremos presentes o tempo todo, cuidando para que você não se atrapalhe, não se assuste e que possa continuar esta viagem a níveis profundos do seu ser.

Essa simples e poderosa técnica poderá ajudá-lo a expandir a sua consciência e, ao mesmo tempo, integrar partes suas que foram negligenciadas. Estas partes ocultas e não aceitas de si mesmo ficam bloqueando e minando o desabrochar da sua própria vida!

Uma pessoa vai se tornando inteira a medida que não nega nada de si. Torne-se mais feliz e capaz de lidar com os constantes desafios do seu dia a dia com mais energia e consciência.

Venha RESPIRAR neste espaço tranquilo e silencioso!

As sessões duram cerca de 1h a 2h.
Terapeutas: Vanessa Santos e Claudio de Assis